Conteúdo exclusivo

Blog - Jurisprudência selecionada do STJ

DIREITO DO CONSUMIDOR. COBERTURA DE HOME CARE POR PLANO DE SAÚDE.

04/09/2015

No caso em que o serviço de home care (tratamento domiciliar) não constar expressamente do rol de coberturas previsto no contrato de plano de saúde, a operadora ainda assim é obrigada a custeá-lo em substituição à internação hospitalar contratualmente prevista, desde que observados certos requisitos como a indicação do médico assistente, a concordância do paciente e a não afetação do equilíbrio contratual, como nas hipóteses em que o custo do atendimento domiciliar por dia supera a despesa diária em hospital. Isso porque o serviço de home care constitui desdobramento do tratamento hospitalar contratualmente previsto, serviço este que, a propósito, não pode sequer ser limitado pela operadora do plano de saúde, conforme a Súmula 302 do STJ ("É abusiva a cláusula contratual de plano de saúde que limita no tempo a internação hospitalar do segurado"). Além do mais, nota-se que os contratos de planos de saúde, além de constituírem negócios jurídicos de consumo, estabelecem a sua regulamentação mediante cláusulas contratuais gerais, ocorrendo a sua aceitação por simples adesão pelo segurado. Por consequência, a interpretação dessas cláusulas contratuais segue as regras especiais de interpretação dos contratos de adesão ou dos negócios jurídicos estandardizados, como aquela segundo a qual havendo dúvidas, imprecisões ou ambiguidades no conteúdo de um negócio jurídico, deve-se interpretar as suas cláusulas do modo mais favorável ao aderente. Nesse sentido, ainda que o serviço de home care não conste expressamente no rol de coberturas previstas no contrato do plano de saúde, havendo dúvida acerca das estipulações contratuais, deve preponderar a interpretação mais favorável ao consumidor, como aderente de um contrato de adesão, conforme, aliás, determinam o art. 47 do CDC ("As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor"), a doutrina e a jurisprudência do STJ em casos análogos ao aqui analisado. REsp 1.378.707-RJ, Rel. Min. Paulo de Tarso Sanseverino, julgado em 26/5/2015, DJe 15/6/2015.

Fonte: Informativo STJ n. 0564 - Período: 15 a 30 de junho de 2015.

Comentários


  • Tentar outra imagem


Nenhum comentário

Nosso site mantém um sistema de comentários para estimular a troca de ideias e informações entre seus leitores, permitindo o aprofundamento dos debates. Este espaço respeita as opiniões dos leitores, independentemente da corrente ideológica ou divergência de ideias. Entretanto, o BLOG tem regras de conduta que devem ser respeitadas. Não serão aceitos comentários que, a critério do moderador: (a) contenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter racista, discriminatório ou ofensivo de qualquer natureza contra pessoas e instituições ou que desrespeite a privacidade alheia; (b) configurem qualquer outro tipo de crime segundo a legislação pátria; (c) mensagens anônimas ou assinadas com e-mail falso; (d) Tenham cunho comercial ou de propaganda (spam), ou ainda reúnam informações de natureza pessoal (e-mail, endereço, telefone etc) do próprio comentarista ou de terceiros e/ou que contenham informações fora do contexto do blog. Não cumpridas essas regras, o BLOG reserva-se o direito de excluir o comentário sem aviso prévio. O leitor que insistir em desrespeitar essas regras será bloqueado do nosso sistema de comentários. O site não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do BLOG.